Plantas Alimentícias Não-Convencionais (PANCs) no Parque Municipal Shangrilá, São Paulo, SP (2022)

Altieri, M., & Nicholls, C. I. (2013). Agroecologia y resiliência al cambio climático: princípios y consideraciones metodológicas. Agroecología, 8(1): 7-20.

André, T. (2020). Zingiberaceae in Flora do Brasil 2020. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB110705. Acesso em: 11/09/2021.

Azevedo, T. D. (2018). Propriedades Nutricionais, Antioxidantes, Antimicrobianas e Toxicidade Preliminar Do Peixinho Da Horta (Stachys byzantina K. Koch). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.

Badue, A. F. G., & Ranieri, R. R. (2018). Guia prático de Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) para escolas. São Paulo: Instituto Kairós.

Bardelli, K. C., Kirizawa, M., & Sousa, A. V. G. (2008). O gênero Piper L. (Piperaceae) da Mata Atlântica da Microbacia do Sítio Cabuçu-Proguaru, Guarulhos, SP, Brasil. Hoehnea, 35(4): 553-561.

Biondo, E., Fleck, M. Kolchinski, E. M., Sant’Anna, V., & Polesi, R. G. (2018). Diversidade e potencial de utilização de plantas alimentícias não convencionais ocorrentes no Vale do Taquari, RS. Revista Eletrônica Científica da UERGS, 4(1): 61-90.

Bondar, G. Taro e Caiobas, aráceas alimentícias e forrageiras (ABC do Lavrador Prático). São Paulo: Ediçőes Melhoramentos.

Brack, P. (2011). Crise da biodiversidade, ainda distante da economia. Ciência e Ambiente, (42): 147-162.

Brasil. (2010). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de hortaliças não-convencionais. Brasília: MAPA/ACS.

Fernandes-Júnior, A. J., & Gonçalez, V. M. (2020). Malvaviscus in Flora do Brasil 2020. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB84950. Acesso em: 11/09/2021.

Filgueiras, T. S., Nogueira, P. E. Brochado, A. L., & Guala, G.F. (1994). Caminhamento: um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos. Cadernos de Geociências, 12: 39-43.

Fioravanti, C. (2016). A maior diversidade de plantas do mundo. Pesquisa FAPESP, (241), 42-47.

Guimarães, E. F., Medeiros, E. V. S. S., & Queiroz, G. A. (2020). Piper in Flora do Brasil 2020. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB12863. Acesso em: 08/11/2021.

Kelen, M. E. B., Nouhuys, I. S. V., Kehl, L. C., Brack, P., & Silva, D. B. (2015). Plantas alimentícias não convencionais (PANCs): hortaliças espontâneas e nativas (1a ed.). Porto Alegre: UFRGS.

Kinupp, V. F. (2007). Plantas alimentícias não-convencionais da região metropolitana de Porto Alegre, RS. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, RS, Brasil.

Kinupp, V. F., & Lorenzi, H. (2014). Plantas alimentícias não convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. Nova Odessa: Instituto Plantarum.

Lim, T. K. (2014). Edible Medicinal and Non-Medicinal Plants (8a ed). Dordrecht: Springer.

Lima, A. G., Souza, V. C., & Paula-Souza, J. (2020). Tropaeolaceae in Flora do Brasil 2020. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB599289. Acesso em: 08/09/2021.

Lima, A. S. G., & Krupek, R. A. (2016). Caracterização morfológica, anatômica, e toxinas endógenas em Colocasia esculenta (L.) Schott e Xanthosoma sagittifolium (L.) Schott. Luminária, 18(1): 31-40.

Lohmann, L. G. (2020). Handroanthus in Flora do Brasil 2020. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB114086. Acesso em: 11/09/2021.

Lorenzi, H., & Matos, F. J. A. (2008). Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas (2a ed.). São Paulo: Instituto Plantarum.

Lorenzi, H., & Souza, M. H. (2001). Plantas ornamentais no Brasil arbustivas, herbáceas e trepadeiras (3a ed.). São Paulo: Editora Plantarium.

Malvaceae in Flora do Brasil 2020. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB106884. Acesso em: 11/09/2021.

Marinho, C. R. (2008). Características anatômicas, histoquímica das estruturas secretoras e ontogenia de idioblastos da folha de Pothomorphe umbellata (L.) Miq. (Piperaceae). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais, MG, Brasil.

Martins, E. R., Castro, D. M., Castellani, D. C., & Dias, J. E. (1994). Plantas medicinais. Viçosa: UFV.

Monge, M. (2020). Taraxacum in Flora do Brasil 2020. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB613437. Acesso em: 18/09/2021.

Monteiro, E. B. (2011). Caracterização química e estudo das propriedades funcionais biológicas in vivo da folha de taioba (Xanthosoma sagittifolium). Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia de Alimentos, Campinas, SP, Brasil.

Oliveira, F., Akisue, G., & Akisue, M. K. (2009). Farmacognosia (1a ed.). São Paulo: Atheneu.

Paim, A. F. (2014). Micropropagação e Análise da Anatomia Foliar de Handroanthus chrysotrichus (Mart. ex DC.) J. Mattos. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Pereira, S. F., & Temponi, L. G. (2017). Monsteroideae (Araceae) from Paraná, Brazil. Rodriguésia, 68(4): 1377-1386.

Pontes, E. D. S., Araújo, M. G. G., Sales, H. L. D., Silva, G. S., Silva, N. S., Soares, J. K. B., & Vieira V. B. Propriedades antioxidantes dos extratos da flor e da folha de malvavisco. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 38(1): 1-7.

Préstamo, G., & Manzano, P. (1993). Peroxidases of selected fruits and vegetables and the possible use of ascorbic acid as antioxidant. HortScience, (28): 48-50.

Qureshi, S. J., Awan, A. G., Khan, M.A., & Bano S. (2002). Taxonomic study of the genus Sonchus L. from Pakistan. Online Journal of Biological Sciences, 2(5): 309-314.

Reitz, P. P. (1972). Tropaeolaceae. Itajaí: Flora Ilustrada catarinense.

Rocha, K. A., Bernardes, E., Lopes, E. L., Luna, G. H., & Oliveira, J. N. (2017). Panc’s na Serra do Japi. Revista Ágora, 19(1): 113-120.

Rossato, E. A., Pierini, M. M., Amaral, A. P., Santos, R. R., & Citadini-Zanette, V. (2012). Fitoterapia racional: aspectos taxonômicos, agroecológicos, etnobotânicos e terapêuticos. Florianópolis: DIOESC.

Santos, I. C., Reis S. N., Faccion, C. E., & Carvalho, L. M. (2019). Flores comestíveis: o que é preciso saber. Circular Técnica, (305): 1-12.

Santos, L. L., Santos, L. L., Alves, A. S. A., Oliveira, L. S. D., & Sales, M. F. (2013). Bignoniaceae Juss. no Parque Nacional Vale do Catimbau, Pernambuco. Rodriguésia, 64(3): 479-494.

Santos, S. B., Pedralli, G. & Meyer, S. T. (2005). Aspectos da Fenologia e Ecologia de Hedychium coronarium (Zingiberaceae) na Estação Ecológica do Tripuí, Ouro Preto-MG. Planta Daninha, 23(2): 175-180.

Schneider, A. A. (2020). Sonchus in Flora do Brasil 2020. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB16302. Acesso em: 10/09/2021.

Secretaria do Verde e Meio Ambiente. (2021). Shangrilá. São Paulo. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/meio_ambiente/parques/regiao_sul/index.php?p=5772. Acesso em: 12/04/2021.

Seganfredo, R., Finger, F. L., Barros, R. S., & Mosquim, P. R. (2001). Influência do momento de colheita sobre a deterioração pós-colheita em folhas de taioba. Horticultura Brasileira, 19(3): 184-187.

Silva, A. C. A. D., Leão, H. M., Fonseca, R. F., Nascimento, R. M., Penha, T. S., & Aquino, K. A. (2017, outubro) Plantas alimentícias não convencionais inseridos na comunidade escolar através da produção de receitas. 57° Congresso Brasileiro de Quimíca, Gramado/RS.

Silva, D. (2011). Caracterização De Invasão Da Espécie Exótica Lírio-Do-Brejo (Hedychium coronarium) Em Área De Mata Ciliar No Município De Joanópolis/Sp. Enciclopédia Biosfera, 7(12): 1-17.

Souza, H. A., Almeida, A. L. A. A., Stringheta, P. C., & Barros, F. (2020). Capacidade antioxidante de flores de capuchinha (Tropaeolum majus L.). Revista Ponto de Vista, 9(1): 73-84.

Souza, J. P., & Souza, V. C. (2002). Tropaeolaceae In: Wanderley, M. G. L., Shepherd, G. J., Giulietti, A. M., Melhem, T. S., Bittrich, V., & Kameyama, C. Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo. São Paulo: Instituto de Botânica.

Takeuchi, C. (2011). Estudo taxonômico de Abutilon Mill. (Malvoideae-Malvaceae) no Estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado, Instituto de Botânica da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, São Paulo, SP, Brasil.

Terra, S. B., & Vieira, C. T. R. (2019). Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs): levantamento em zonas urbanas de Santana do Livramento, RS. Ambiência, 15(1): 112-130.

Thompson, I. R. (2015). Asteraceae. Australia: Flora of Australia.

Turner, B. L., & Mendenhall, M. G. (1993). A Revision of Malvaviscus (Malvaceae). Annals of the Missouri Botanical Garden, 80(2): 439-457.

Zanetti, G. D., Manfron, M. P., & Hoelzel, S. C. S. (2004). Análise morfo-anatômica de Tropaeolum majus L. (Tropaeolaceae). IHERINGIA, Série Botânica, 59(2): 173-178.

FAQs

Quais são as plantas alimentícias Não-convencionais? ›

Se você cozinha e já se arriscou com alimentos diferentes, deve conhecer espécies como ora-pro-nóbis, taioba, beldroega, bertalha, dentre outras plantas que estão entrando no circuito de quem procura comer de forma mais saudável.

Onde as PANCs podem ser encontradas? ›

Normalmente as PANCs crescem espontaneamente em jardins, florestas, mas também podem ser plantadas no quintal de casa, encontradas em feiras de rua locais e com pequenos produtores de alimentos.

Como identificar as plantas PANCs? ›

Plantas alimentícias não convencionais, mais conhecidas como PANCs, apresentam a rusticidade como principal característica. Elas possuem uma ou mais partes ou porções que podem ter consumo na alimentação humana, sendo elas exóticas, nativas, silvestres, espontâneas ou cultivadas.

Quais são os benefícios das plantas alimentícias Não-convencionais PANCs? ›

Benefícios nutricionais

As plantas alimentícias não convencionais (PANCs) são excelentes fontes de nutrientes, vitaminas e sais minerais, também possuem características que conferem propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e ações terapêuticas.

Top Articles

You might also like

Latest Posts

Article information

Author: Zonia Mosciski DO

Last Updated: 08/29/2022

Views: 6407

Rating: 4 / 5 (71 voted)

Reviews: 94% of readers found this page helpful

Author information

Name: Zonia Mosciski DO

Birthday: 1996-05-16

Address: Suite 228 919 Deana Ford, Lake Meridithberg, NE 60017-4257

Phone: +2613987384138

Job: Chief Retail Officer

Hobby: Tai chi, Dowsing, Poi, Letterboxing, Watching movies, Video gaming, Singing

Introduction: My name is Zonia Mosciski DO, I am a enchanting, joyous, lovely, successful, hilarious, tender, outstanding person who loves writing and wants to share my knowledge and understanding with you.